Manual da vida – Parte 01

Um dia li em algum lugar uma frase que nunca saiu da minha cabeça, era assim: “quanto mais rápido andamos, em mais obstáculos tropeçamos”.

Você já parou para pensar porque as coisas tendem a se inclinar mais para o mal do que para bem? Porque dias difíceis são mais freqüentes que dias bons? Onde a razão para as coisas serem assim começa? Pode ser minha, pode ser dos outros, do mundo ou de todos. Muitas vezes por as coisas serem ruins, torcemos para que elas acabem logo. Às vezes quando eu olho ao meu redor, eu vejo pessoas querendo viver o dia o mais rápido possível como em uma corrida que não leva a lugar nenhum.

É como alguém que caminha olhando só para os próprios pés sem se dar conta do que está ao redor. Já outros caminham com a cabeça bem erguida olhando para o horizonte, sabendo o que espera por elas, admirando a vista e desfrutando de cada momento. E, de vez em quando, elas tropeçam em alguma coisa. Algo que pode ser bom ou ruim. Se eu pudesse traduzir a minha vida em uma cena, seria de alguém que anda por uma estrada rumo ao pôr do sol, em um crepúsculo de primavera que nunca acaba.

Mesmo algumas pessoas sendo frias às vezes, viver o sentimento das pessoas é uma experiência muito especial, enriquecedora e terapêutica. Eu sei que é praticamente difícil se sentir realmente feliz por alguém que conquistou algo ou que recebeu uma boa notícia. Não tem nada de ruim em admitir isso para você mesmo, acho que é pior quando mentimos para nossos sentimentos. Mas a partir do momento que você se força a partilhar desse sentimento, você se dá conta do quanto isso te faz bem.

Alguns dias são difíceis, tão difíceis que fazem uma vida inteira parecer um grande erro. E tudo que você quer é deitar na sua cama, dormir e se desligar de tudo isso. O sono vira um refúgio onde nada do que aconteceu consegue nos alcançar. Mas eu tenho a certeza de que você viveu algo bom também. Pode ter sido uma conversa, uma piada ou algum outro momento que pode ter durado apenas 10 segundos das suas 24 exaustivas horas. Mas ai você deve se perguntar “o que são 10 segundos de bons momentos comparados à 24 horas de momentos ruins?”. Essa comparação quem tem que fazer é você. E você deve decidir o que vale a pena remoer. Me diga o que você prefere: engolir uma colher de Nutella ou um prato de sopa amarga?

Eu gosto de pensar que o futuro começa um segundo a partir de agora. E o que eu planejei para o futuro? Fazer planos é natural, executá-los no dia a dia, eu sei, é difícil. Mas é só uma questão de prática e querer.

Esses passos não te ajudar a evitar os obstáculos, vão apenas te ajudar andar mais devagar e ver o que vem pela frente.

Você pode começar agora, afinal, o futuro já começou.

Gostou desse texto? Compartilhe com os amigos ou deixe sua opinião.

Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários