The Truth About Love: O melhor álbum sobre amor que você vai ouvir

Na primeira resenha musical aqui do blog, resolvi trazer um dos álbuns mais emocionalmente fortes que já ouvi (e continuo ouvindo até hoje). Um álbum que retrata bem o que todos nós vivemos quando estamos apaixonados, quando terminamos, brigamos e qualquer outra situação que tenha o Sr. Amor envolvido.

Pink é uma das cantoras que praticamente fazem parte da vida de muita gente. Basicamente porque, desde de seu primeiro álbum lançado há mais de 10 anos até este exato momento, ela continua com uma carreira firme que a coloca em um patamar de artistas raros que não precisam ser sustentados por uma fã-base.

Como eu disse, The Truth About Love é um álbum muito forte que começou a ser produzido em 2011 e foi lançado em 2012. Nele, Pink conseguiu colocar nas músicas sentimentos e situações extremamente comuns que me tocam de um jeito muito íntimo. Cada frase de cada faixa traz um arrepio na espinha quando se percebe que cada um deles já foi um diálogo na sua cabeça em algum momento quando seu coração foi partido, você estava sofrendo em uma relação difícil.

Mas é da Pink que estamos falando! E toda essa doçura e sentimentalismo não combinam nem um pouco com ela. As faixas mesclam essas situações com a ironia e sarcasmo que já são características dela, além de muitas batidas no estilo “baladinha pop” como na faixa Blow Me One Last Kiss.

Separei algumas das melhores faixas para mostrar um pouco da essência do álbum.

Try

Try é uma das músicas mais fortes e subjetivas do álbum e seu significado é mais óbvio do que parece. Fala de tentativas.

Uma relação em que você está cansado dos erros do outro, onde vocês tentam e tentam, mas nunca dá certo. Brigas, ressentimentos e cansaço, mas uma relação que você quer mas não consegue abrir mão. Isso é traduzido de uma forma bem artística no próprio clipe. Você fica se perguntando se eles estão dançando ou lutando. É nesse misto de amor e receio que a relação vai sendo levada. O pó colorido, como sendo os ferimentos do amor.

Blow Me One Last Kiss

Essa é uma das melhores faixas do álbum. É aquela música que você vai colocar pra tocar quando terminar com alguém. Ela é sobre alguém cansado do egoísmo do outro e que depois de muitas brigas, resolve acabar com tudo, com muita ironia e um pouco de maldade. Blow Me retrata uma pessoa que se tornou amarga por culpa do amor. Fala de intolerância e de como uma relação pode ir se desgastando ao longo do tempo.

Just Give Me A Reson

Just Give a Reason é uma das músicas que você deve ter ouvido tocando no rádio (principalmente depois que Gustavo Lima fez o favor de estragar gravar a música na voz dele).

Essa faixa trata da mesma situação de Blow Me, só que de um outro jeito. Enquanto a faixa anterior fala de intolerância, Just Give Me A Reason fala de superar os problemas por meio do diálogo. Mesmo com todas as brigas, podemos aprender a amar novamente. E acho que por isso é uma das faixas mais bonitas que falam em relacionamento e amor verdadeiro.

True Love

Continuando nossa aventura através da visão amorosa e musical da Pink, depois de brigas e perdões, chegamos à True Love.

É uma das músicas mais chicletes do álbum que melhor traduz o que, ao menos eu, sinto em um relacionamento muito longo. True Love fala sobre amar uma pessoa, junto com seus defeitos. Você odeia ela, ela te irrita, mas você não consegue se imaginar vivendo sem ela.
O clipe é outra coisa a parte. Nele a gente vê o lado maternal da Pink. Temos o prazer a participação da pequena Willow e seu marido Carey, além de alguns segundo de feat. com Lily Allen como uma cozinheira psicótica (<3).
 
Bom, esses foram os principais hits de um dos melhores álbuns da Pink. Não dá pra falar de todos, afinal são 17 faixas e 19 na versão disponível para download no iTunes, o que mostra que amor rende muita coisa para se falar, e talvez nem mesmo com tantas faixas, tenha falado de tudo que cabe dentro desse sentimento.
The Truth About Love é um álbum completamente atemporal, como todos da Pink se formos pensar bem. Se ele é intimista, pelo fato da Pink ter tido uma filha e estar com seu atual marido Carey depois de altos e baixos que renderam outras músicas como So What em álbuns anteriores, ou não, não sabemos. Só sei dizer que faltam palavras pra descrever tudo que traduz esse grande trabalho.

Solte o play  e se apaixone:

 

Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários