Eu gosto de ficar sozinho (e isso não deveria ser um problema)

Cronistas de Quarto - Comportamento

Existem algumas pessoas que adoram ficar sozinhas. Tipo eu.

E essa é uma característica minha que faz parte de algo chamado identidade. Que nada mais é do que o que faz de nós o que quem somos. Eu sempre gostei de ficar sozinho porque sempre fui muito reservado, sempre pensei muito e isso parece ser o suficiente para afastar a maioria das pessoas. E ficar sozinho sempre me ajudou a criar, planejar, concentrar e por a mão na massa. Até quando tive o meu primeiro grande relacionamento, algo que eu achei que mudaria isso em mim, esse foi um grande problema. “Eu gosto de ficar sozinho“, eu disse pra ele.


Depois de um tempo, comecei a ficar triste. As pessoas me olhavam com pena por ser assim. Será que é tão ruim assim gostar de ficar só? Um dia li essa frase em algum lugar que mudou a forma como eu encarei isso.

Não pense que gostar de estar sozinho significa que não sei me relacionar com pessoas. Eu adoro conversar, conhecer, sair e me divertir. Digamos que isso é 50% da minha identidade. A outra metade, prefere ficar no próprio mundo mesmo. E mais uma frase só deu mais razão para essa metade.

Eu entendi que tenho uma natureza solitária. Ai de quem tentar mudar isso. Como diz a música da Dani Carlos, meu mundo está fechado pra visitação. Eu sempre disse para os meus melhores amigos que eu não vou ser aquele que vai estar do seu lado o tempo todo, mas vou estar ao seu lado quando você precisar. Mas é melhor não se apegar, porque quando o dia começar e você estiver melhor, eu já terei ido embora. Mas fique tranquilo, porque eu vou estar sempre por perto pra ter certeza de que você está bem.

Estar sozinho desperta em mim  o que eu tenho de mais intenso. Um lado quase onisciente sobre tudo que eu posso me tornar. Um universo próprio de alternativas intangíveis. É como ter uma prateleira de possibilidades diante de você. Isso só me ensinou duas coisas: que eu me conheço melhor do que nunca, e que… ainda não me conheço nem pela metade.



E isso me fez ter a capacidade ver as coisas com mais clareza. Sem o ruído barulhento da presença dos outros. Mas é claro, isso sempre teve muitas consequências boas e ruins. Relacionamentos estragados e relações arranhadas. De tudo um pouco já aconteceu, e tudo que sobrou agora são coisas e pessoas que entenderam esse meu jeito. E fico feliz por isso.

Sempre achei divertido a forma como as pessoas reagiam quando tentavam me tirar de casa num sábado  a noite. Basicamente, não sou muito fã de lugares cheios de pessoas. E me tornei alguém bem reservado. Um espectador das histórias do mundo.

Eu não posso dizer que esse é o melhor jeito de se viver. Quando você mergulha dentro de você, corre o risco de nunca mais voltar para a superfície. Isso aconteceu quando tive depressão após a morte da minha irmã. Uma pessoa inteira é mais profunda do que um oceano inteiro. E quando uma tempestade de emoções se aproxima, as coisas podem se tornar muito imprevisíveis.

Mas se você é do tipo que gosta do silêncio da madrugada, dos som dos seus próprios pensamentos ecoando pelo quarto, da paz e das reflexões que só você entende e que só você cria em sua própria cabeça, eu te digo que essa é uma excelente forma de viver em um mundo cheio de horrores.

Porque só quem se sente feliz nesses momentos tristonhos consigo mesmo pode reconhecer o valor das coisas em meio ao caos da vida dos outros.



Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários

  • Mairi

    Seu texto me fez refletir bastante o que se passa dentro de mim. Me sinto uma pessoa sozinha e sem amigos, mas acabei de parar e refletir que estou nessas condições porque eu realmente quero. Acho que 100% de mim prefere estar na minha própria companhia. Meus colegas me chamam pra sair e curtir, mas eu prefiro está só. Vivo pensando e pensando. Idealizando um mundo que não existe. Parece que ninguém pensa como eu. Agora me pego pensando nos lugares que eu mais gosto, curtindo sozinha. E me vejo feliz, fazendo tudo que me faz bem.

    Já dizia Clarice Lispector “Enquanto eu tiver a mim, não estarei só”

    • Lair Gonçalves

      Oi, Mairi. No começo, eu olhava para os meus amigos, saindo, curtindo e indo em festas. Eu ficava com um pouco de inveja até o dia quem que fui e me dei conta de que aquilo não era pra mim. Cada ser humano é um mundo próprio, e, na minha opinião, quem gosta de ficar sozinho é quem tem a capacidade de ir mais longe e se conhecer de uma forma única.

      Ir ao cinema, sair pra comer ou passear só são minhas coisas favoritas. E eu fico feliz que mais gente saiba o valor que esses momentos têm.

  • Mayla Renata Accascina

    Oi Lair, não sei se voce vai ler isso ou não, já que faz tempo que vc publicou! Eu sou assim, exatamente como voce fala! Eu demorei muito pra entender que sou assim e aceitar que sou assim, uma pessoa que gosta mais de estar só! Gosto de estar com outros, com meus amigos e tudo mais, mas tenho um limite, depois de um tempo que estou com eles me sinto cansada e quero ir embora! Eu fico esgotada! Estar muito tempo com pessoas me deixa esgotada! Parece que “chupam” a minha energia! Eu preciso ficar sozinha pra “recarregar as baterias”! As minhas melhoras amigas entendem, elas já não reclamam mais tanto assim quando eu digo que estou cansada e quero ir embora. O problema maior esta sendo com a minha familia, que não entende isso! E quando eu digo pro meu pai que eu gosto de estar sozinha, que tenho vontade de viajar sozinha, que as vezes tudo o que quero é ficar em paz, ele diz que isso não é normal! Eu não tenho como ficar sozinha em casa pois divido o quarto com minha irma, então não tenho um ambiente pra ficar em paz! E as vezes por não saber lidar com isso e com a minha familia eu fico irritada e choro o tempo todo! Sei que não é justo com eles, as vezes eles só querem ajudar, mas o problema é que eu não quero ajuda, eu só quero ficar sozinha! Mas não sei como fazer pra eles entenderem isso! E eu sofro, pq as vezes eu simplesmente não aguento estar com ninguem, preciso de um momento só pra mim! Enfim, é mais um desabafo pois acredito que voce me entende! Abraços!

    • Lair Gonçalves

      Oi, Mayla. Eu passei por esse problema também. De todos os desafios que a nossa identidade traz, os maiores enfrentamos com a nossa família. Uma vez, quando minha mãe teve depressão, ela não podia fica sozinha e eu tive que me sacrificar para passar o maior tempo possível com ela. Nossos pais sempre querem o melhor pra gente, mas na maioria das vezes não sabem como fazer isso e acabam nos machucando ou chateando, mas sempre com a melhor das intenções. Ser uma pessoa solitária ainda é visto como algo triste, e tenho certeza que eles enxergam assim. Eu não sei quantos anos você tem, mas tenho certeza que a medida que você for crescendo eles vão entender que esse é o seu jeito e que é isso que te faz bem. Foi assim comigo. Até lá, é preciso ter paciência, conversa e vai ser impossível fugir de algumas discussões. Mas nunca se esqueça do quanto nossos pais nos amam. Me lembro que eu ficava com raiva deles e esse foi um dos meus erros.
      Me lembro que quando queria ficar sozinho, acordava cedo e ia passear em um parque bem grande quem tem aqui na minha cidade. Passava a manhã toda andando no bosque, olhando o lago, fazendo trilhas, escrevendo. Tudo sozinho.
      Não se esqueça também de que você é livre para fazer seu próprio mundo e criar seus momentos. Muita gente não vai entender, mas quando fazemos o que nosso coração pede, quem se importa com isso?
      Um abração.

  • Evandro Ferreira Campos

    Oi Lair. Seu post me identificou. Eu nunca gostei muito de estar em ambientes muito agitados. Em sítios que não combinavam comigo. E às pessoas diziam para mim que isso me fazia mal é que eu devia estar com mais pessoas e arranjar namorada e socializar mais. Mas o eu queria mesmo era estar sozinho, pensar em como seria lindo se eu pudesse ser livre e gritar ao mundo o que eu sou. Prefiro estar em casa a imaginar a minha numa maionese. Ainda prefiro sonhar com coisas que nunca se irão realizar.
    https://vireiadolescenteblog.wordpress.com/