Infelizmente, corações não são feitos de areia.

Infelizmente,-corações-não-são-feitos-de-areia

Desde os primórdios dos meus relacionamentos eu sabia que as coisas não seriam fáceis. Sentimentos confusos, um garoto esquisito e desprovido de atrativos físicos.

Para as coisas ficarem mais interessantes, eu fui obrigado a amadurecer muito cedo, o que basicamente fez de mim um mini adulto. E… toda essa coisa de se apaixonar, de viver com alguém e ser feliz, parecia algo tão irreal pra mim.

Mas o destino continua surpreendendo. Aos 16 anos, entendi que eu era… bom… entendi que eu não era heterossexual. Tive meu primeiro beijo e minha primeira vez. Parecia que era aí que as coisas iam se encaixar. Mas não.

Estava tudo errado desde de o começo. Acho que o único jeito para que as coisas dessem certo seria derrubar o castelo de areia e começar do zero. Infelizmente, corações não são feitos de areia. É alguma coisa parecida com porcelana.

Infelizmente, corações não são feitos de areia.

Sabe por que eu escolhi estar sozinho? Porque eu machuco as pessoas ao meu redor. Eu afasto elas. E um dia eu percebi que toda vez que eu machuco um coração, passa a ter uma pessoa a mais (ou a menos?) no mundo que deixa de acreditar no amor. Isso é algo que vai contra mim. Contra o que eu sempre disse. Eu estava criando uma estrada de corações partidos. Deixando um rastro de pessoas insensíveis.

Quando me dei conta de que estava ferindo as pessoas, resolvi me fechar na minha concha. “Não me perturbe, coração nuclear” e “mantenha distância” foram algumas coisas que eu pendurei em todas as paredes.

Eu me afastei do amor, porque me esqueci como se ama. E o coração das pessoas não é algo com o que se possa experimentar. Acho que você deveria pensar bem antes de fazer um coração sair da concha.

As pessoas estão fugindo de quem elas escolheram ser, pedindo desculpas por erros premeditados, pulando de dia em dia esperando tudo acabar com a mesma ferocidade de um viciado. É nesse mundo que se deve amar?

Você deve estar pensando que é de amor que o mundo precisa. Mas não é. O amor unilateral morre. Enquanto uma parte não estiver pronta, a ponte nunca poderá ser construída. Eu escolhi ficar sozinho, na minha concha, para evitar cair nesse ciclo vicioso.

Nós precisamos de ajuda, de tempo, para reconstruir nossos castelos quando as coisas não foram boas, de um tempo para pensar no que dissemos para o último coração que encontramos e de um momento a sós para entender os avisos nós mesmos penduramos nas paredes.

 

Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários