Rabisquei na Escrivaninha: Sentimentos

Às vezes eu sinto em demasia e outras vezes,

sinto menos do que deveria.

Ou sinto muito ou não sinto nada.

São sempre os dois extremos que ficam na balança do meu coração

onde eu nunca consigo equilibrar a quantidade exata.

Quando estou feliz, eu estou muito feliz.

E quando estou triste e fechado, bem, então eu fico triste.

É como agachar em um calçada e desenhar os sonhos com giz.

E logo vem a chuva e logo nada mais ali existe.

Não é algo que eu consiga consertar. Certas feridas ainda doem, e o orgulho cobre um pouco delas.

Como um viciado em morfina, eu não sei quando parar de usar para parar de sentir.

Talvez nunca seja o suficiente. E muitas vezes, não dou a oportunidade de conhecerem o que tem debaixo dessa máscara.

Talvez por medo de assustar.

Ou de se entregar.

Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários