Outra dose, por favor.

Eu caminhei pelas estradas do mundo.

Sentei na beira do universo e reguei meu destino com minhas lágrimas.

Vi minha solidão crescer como uma doença.

Risquei no meu peito uma frase que diz o quanto o amor é instável, para que eu sempre me lembrasse das marcas que ele causou.

Eu não vejo sentido no mundo, eu deixei de ver sentido nas pessoas.

Eu me distanciei. Me fechei no meu mundo e quis que o silêncio do fim dos dias chegasse.

Mas, quando menos esperamos, reencontramos sentimentos e situações que evitamos.

Encontrei você.

Sua voz, seu jeito.

Então, me perguntei, por que não?

O que é só mais uma cicatriz nesse emaranhado de emoções distorcidas?

Nada que algumas lágrimas não conseguissem lavar em uma noite.

Nada como esfregar na cara da minha esperança que ela estava errada.

Eu sempre senti demais. Sempre demonstrei demais, por ter medo de não mostrar o suficiente.

São nesses textos que eu escrevo (e que acho que você não vai ler), que eu coloco tudo aquilo que não consigo te dizer.

Coloco meus sentimentos, minhas palavras.

É assim que minha alma chora.

Eu escrevi muito para as pessoas erradas, coisas que um dia eu achei que elas leriam e sentiriam orgulho.

Palavras desperdiçadas.

Mas o que eu posso fazer, se colocar em frases tudo o que eu sinto é a forma que encontrei de afastar os meus fantasmas?

Eu não consigo explicar como eu sou.

Mas consigo te mostrar.

Eu entendo você. Seus motivos, suas dores.

Somos todos corações partidos em busca de outros pedaços que nos completem.

Em busca de um sentido.

Prontos para tomar uma dose daquilo que nos feriu.

Mas eu farei o possível para estar aqui.

Para não te deixar cair.

Eu nunca fui bom o bastante.

Mas desejo ser o mínimo necessário para afastar a dor, inspirar a vida e mostrar que ela continua mesmo depois que o coração deixa de bater por amor.

Blogueiro, criador do Cronistas de Quarto, amante de chuva, música, cinema e passar horas no quarto rabiscando aventuras.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários

  • marci

    Profundo e distinto. Continue assim. Escreva.