O novo significado de uma promessa

Eu fiz muitas promessas durante os longos anos que se seguiram.

Algumas promessas eram simples nas palavras, mas grandes em seu significado, como olhar as coisas com mais calma, com mais carinho e mais amor.

Outras promessas eram mais complexas, como tentar contornar as dores do mundo, evitar velhas feridas e prometer que seria tudo diferente do mundo que me ensinou que uma cicatriz só para de doer quando sua atenção está em algo maior, mais bonito e próximo a você.

Durante muitos anos eu fiz promessas sem entender o que elas realmente significavam no mundo e na minha vida. Talvez fossem uma dor travestida, talvez fossem um sentimento com outro nome e outra forma, nascido em um mundo particular.

Quando te conheci, não haviam promessas. Não haviam expectativas em cima daquilo que eu criei por tantas vezes no passado. Havia apenas presença e doçura em cada palavra. Éramos apenas nós, algumas palavras trocadas e o escuro da noite.

E nenhuma promessa.

Era como na aurora dos tempos. Quando tudo vagava deliberadamente pelo espaço, sem pretensões ou planos, tomando forma e cor aos poucos com o passar do tempo.

Eu, que por tanto tempo vivi sendo levado pelas promessas do futuro, pelas promessas da vida, provei com o gosto mais amargo que elas não significam nada diante de sentimentos, atitudes e o próprio tempo. Entendi, que prometer, pensar ou criar futuros é como encher balões para uma festa que mesmo depois do seu fim, continuam enfeitando as paredes, mas que minuto após minuto, hora a pós hora, vão murchando e definhando até se tornarem a sombra da beleza que tinham.

Eu entendi que o vazio dessa vida pode ser preenchido com pequenos momentos e instantes de beleza e aventuras adolescentes que nos fazem entender a vastidão das possibilidades que temos em nosso mundo, ao mesmo passo que após cada fim, cada desilusão e expectativas que não são correspondidas, perdemos de pouco em pouco a nossa fé em ter aquilo que mais ansiamos, um sentimento familiar, visível, e que machuca com a sua própria ausência.

Em silêncio e no escuro, acordado em uma das muitas noites que perpetuam o meu reflexo, eu prometi a você e a mim mesmo que faria deste momento um dos meus textos mais doces, mais bonitos e resilientes.

Eu não tenho nada para oferecer. Promessas não tem valor, porque palavras… palavras não amam ninguém.

Mas é através das tempestades que chegamos até o litoral e enfrentamos a vida de frente. Seja com dor ou desamor. Eu gostaria de dizer que queria ficar, que queria estar com você, diante de todas as possibilidades do mundo. Queria prometer que vai ficar tudo bem e assim salvar mais uma alma neste mundo que ainda acredita no amor. Mas peculiarmente falando da minha história, eu não posso dar aquilo que não tenho para oferecer, muito menos para mim.

A vida é bonita em suas mais diversas formas.

Não te ofereço promessas, apenas um entre muitos sentimentos. Obrigado por por cada instante ao seu lado.

Se você gostou desse texto, deixe aqui seu comentário. :)

comentários